HORA CERTA:

NÍVEL DA REPRESA: 63,20%

TEMPERATURA: 27°C

Mosquitos ‘infectados’ serão soltos em Uberlândia para conter transmissão da dengue e outras doenças

Liberação de Aedes aegypti com a bactéria Wolbachia deve ocorrer até junho de 2024. Cidade é uma das 6 cidades do país escolhidas pelo Ministério da Saúde para receberem a ação.

O mosquito que transmite a dengue, Aedes aegypti. — Foto: Fotos públicas

Mosquitos transmissores da dengue e outras arboviroses infectados pela bactéria “Wolbachia” serão soltos em Uberlândia com o objetivo de impedir a transmissão das doenças. A previsão de início da soltura dos insetos infectados é junho de 2024.

A cidade está entre seis selecionadas pelo Ministério da Saúde no país para participar da ação, que também visa o controle de zika, chikungunya e febre amarela urbana. Também foram selecionadas Foz do Iguaçu (PR), Joinville (SC), Londrina (PR), Natal (RN) e Presidente Prudente (SP).


Sobre a bactéria

A Wolbachia é uma bactéria intracelular e não pode ser transmitida para humanos ou animais. Ela está presente em 60% dos insetos, mas não é encontrada no Aedes aegypti. Pelo Método Wolbachia, conduzido no Brasil pela Fiocruz, o micro-organismo é implantado nos ovos do inseto, impedindo que os vírus das doenças transmitidas pelo mosquito se desenvolvam nele.

Sendo assim, os mosquitos que carregam a bactéria têm a capacidade reduzida de transmitir os vírus para as pessoas, diminuindo o risco de surtos de dengue, zika, chikungunya e febre amarela. Nem os mosquitos, nem a Wolbachia, sofrem qualquer modificação genética.

Com o tempo, a porcentagem de mosquitos que carrega Wolbachia aumenta a partir da reprodução dos inicialmente infectados, até que permaneça estável sem a necessidade de novas liberações. Este efeito torna o método autossustentável e uma intervenção acessível a longo prazo, além de haver alteração significativa nos sistemas ecológicos. Isso porque a Wolbachia está presente naturalmente em outras espécies.

Biofábrica

Uma biofábrica será implantada em Uberlândia, no prédio onde atualmente fica a Defesa Civil, no Distrito Industrial.

O laboratório possibilitará que o método seja desenvolvido na cidade. Lá ocorrerá, por exemplo, o monitoramento de ovos dos mosquitos, para avaliar como o método está evoluindo e os locais mais críticos de transmissão de vírus.

Já receberam o método

As primeiras ações nacionais iniciaram no Rio de Janeiro (RJ) e em Niterói (RJ), em uma área que abrange 1,3 milhão de habitantes. Em Niterói, dados preliminares apontam redução de até 77% dos casos de dengue e 60% de chikungunya nas áreas que receberam os Aedes aegypti com Wolbachia, quando comparado com áreas que não receberam.

Além dessas cidades, o método vem sendo aplicado atualmente em Campo Grande (MS), Belo Horizonte (MG) e Petrolina (PE), seguindo protocolo aprovado pela Comissão Nacional de Ética em Pesquisa (Conep).

Em Uberlândia, um cronograma de implementação será criado detalhadamente a partir de um comitê gestor para o acompanhamento permanente das atividades de implementação do método.

Fonte: Por g1 Grande Minas

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email
Share on telegram
Telegram

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados